MEC discute integrar ensino médio e técnico em modelo de educação integral

ensino-medio1Considerado um dos pontos frágeis da educação brasileira, o ensino médio sinaliza necessidades de renovação. Discussão recorrente entre especialistas, a ideia de incorporar conteúdos profissionalizantes ao currículo desta etapa do ensino ganha força no planalto e vira bandeira do Ministério da Educação (MEC) e da nova gestão do Governo Federal.

Dar oportunidades aos jovens para aprender uma profissão e começar a construir caminhos para o mundo do trabalho é um desafio. O funil para o ensino superior ainda é gigante e uma massa significativa de jovens – que não se permite o sonho de chegar à universidade e também não tem a oportunidade de fazer um curso profissionalizante – aumenta os índices de evasão escolar no ensino médio ano a ano.

Segundo o IPEA (dados da PNAD, 2007), 69% dos jovens de 18 a 24 anos não frequentam a escola. A crise de audiência nesta etapa é grave. O ensino propedêutico, modelo predominante na educação média brasileira, se propõe a levar o aluno a um nível mais avançado de aprendizagem. É um modelo de passagem. Uma porta de entrada para o ensino universal. Contudo, o modelo não cumpre este objetivo, já que apenas 13% dos jovens brasileiros estão no ensino superior.

Olhando para este retrato, e pensando na necessidade urgente de uma revolução no ensino médio, seria a educação integral uma solução para atrair mais jovens para a escola? Esta parece ser uma das ideias do Ministro da Educação, Fernando Haddad, que anunciou nos últimos dias uma meta de implantar o ensino médio em tempo integral aliado ao ensino técnico. A proposta – polêmica e ousada, segundo especialistas – depende de uma ampla revisão do modelo atual do ensino público.

O fato é que o ensino médio passa por uma crise de identidade e não atrai a juventude, especialmente nas camadas mais baixas da sociedade. Afinal, devemos preparar nossos jovens para o mercado do trabalho ou para a universidade? Talvez a melhor resposta seja dar ao jovem a oportunidade de escolha para sua trajetória escolar.

Segundo o Ministro, ainda não há definição de custo estimado nem de como seria a aplicação da medida. Por enquanto, o que se sabe da proposta é que o aluno teria a oportunidade de cursar o ensino médio em um turno e o técnico em outro. De acordo com o MEC, as duas modalidades poderiam ser cursadas na mesma escola ou em duas instituições e as disciplinas definidas de acordo com interesses e aptidões do jovem.

Se a proposta será ou não implantada integralmente ainda nesta gestão do Governo Federal é cedo para dizer – o MEC já adiantou que o modelo deverá ser testado em algumas escolas públicas já no próximo ano. Contudo, o debate em torno do ensino médio poderá chamar atenção para outros temas condicionantes para a revisão do modelo: a universalização do atendimento dessa faixa da educação e a valorização dos professores.

Ensino em tempo integral apresenta bons resultados na educação básica

Na educação básica, a experiência do ensino em tempo integral já é uma realidade – pelo menos em algumas escolas selecionadas para uma espécie de fase piloto. Trata-se do Programa Mais Educação, que faz parte do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), e, em 2010, chegou a 10.050 escolas brasileiras.

sala de aulas

A iniciativa tem como objetivo contribuir para a formação integral dos alunos da rede pública do país, por meio do apoio a atividades socioeducativas no contraturno escolar. Para tal, propõe a ampliação do tempo de permanência dos alunos escola, recomendando a ampliação do espaço educativo e a realização de parcerias com organizações locais que possam oferecer atividades culturais e esportivas.

Outro eixo importante do programa é o pacote de medidas socioeducativas que visa reduzir a evasão, reprovação e distorção da lógica idade-série escolar. A política pública foi aprovada pelo Governo Federal em abril de 2007, mas já apresenta sinais de ampliação para os próximos anos. De acordo com novo Plano de Desenvolvimento da Educação, a oferta de educação em tempo integral deverá chegar a 50% das escolas públicas de educação básica até o ano de 2020.

Experiência comprovada – Em Catanduva, cidade de 120 mil habitantes, localizada no interior de São Paulo, o Programa Mais Educação vem sendo desenvolvido desde a metade do ano de 2010. De acordo com o coordenador do programa no município, Luciano Marcos da Silva, as atividades acontecem em duas escolas, com cerca de 600 alunos do primeiro ao quinto ano do ensino fundamental.

O projeto de educação integral em Catanduva tem nove horas e meia diárias, de segunda a sexta-feira, almoço e dois lanches. Além das disciplinas normais do currículo, os alunos têm a oportunidade de praticar modalidades como futsal, atletismo e dança. O coordenador explica que uma das escolas apresentava altos índices de violência e tráfico de drogas e que a situação está começando a mudar. A expectativa é que, para os próximos anos, outras unidades escolares do município possam receber o programa.

Saiba mais

>> Clique aqui e conheça o projeto de lei do Programa Mais Educação.

>> Baixa a publicação “Série Mais Educação – Texto referência para o debate nacional”.

Por Rodrigo Bueno / Blog Educação

Publicado em Acontece, Outros, Políticas Públicas Marcado com: , , ,

Comentários

Facebook

Twitter

O conteúdo da página "MEC discute integrar ensino médio e técnico em modelo de educação integral | Blog Educação", disponibilizado no website Blog Educação está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.