CTE 2015 – Alunos do ensino médio escreverão textos publicitários

Com inscrições abertas até o dia 17 de julho, o Concurso Tempos de Escola – CTE é uma iniciativa do programa Parceria Votorantim pela Educação – PVE, que visa incentivar a escrita e a reflexão sobre a educação para a formação cidadã. Na edição deste ano, alunos e professores das redes públicas de ensino dos municípios que fazem parte do PVE têm como desafio refletir sobre o tema Grandes atitudes pela educação, tomando como referência as 5 Atitudes pela Educação, campanha do movimento Todos pela Educação.

O CTE divide-se em quatro diferentes categorias, determinadas de acordo com a etapa educacional dos alunos participantes. A proposta de redação apresentada aos alunos do ensino médio, que concorrem na Categoria 3 do concurso, pede a elaboração de um texto publicitário sobre a Atitude 3 da campanha 5 Atitudes pela Educação – “Colocar a educação escolar no dia a dia”. A redação deverá defender essa atitude e fazer com que as pessoas tenham vontade de praticá-la, prestando atenção às características do tipo de texto pedido.

Segundo o redator publicitário Fabricio Franco, a principal função do texto publicitário é vender um produto, serviço ou ideia. Para isso, o texto deve caminhar sempre em direção a seu foco sem se perder em outras mensagens ou explicações. “O texto deve ser sedutor, vendedor, não pode ser redundante e não deve deixar dúvidas ou dar margem a outras interpretações. Deve ser claro, em tom informal, como se fosse uma conversa ou um convite feito por alguém de confiança, para ser compreendido por todos. Deve ser o mais sintético possível, utilizando frases curtas e adjetivos”, explica.

Franco lembra que o título do texto deve resumir o principal atributo, conceito ou ideia de forma direta e, de preferência, também criativa. Em relação à estrutura do texto, o redator recomenda começar pelo desenvolvimento do assunto de que o título trata, de preferência nomeando o produto, ideia ou serviço – no caso da proposta de redação do concurso, a ideia de colocar a educação escolar no dia a dia. “Na sequência, vai depender do que mais se quer comunicar. Pode-se aprofundar a ideia principal ou listar novos atributos e características. O texto dever ser encerrado de forma conclusiva, sem deixar a impressão de que algo ficou sem ser informado. Pode ser encerrado também com uma outra frase que complemente ou reforce a ideia do título”, diz.

O redator, no entanto, destaca que este não é um modelo rígido e que tudo pode ser mudado desde que a mensagem não seja prejudicada. “O importante é comunicar da forma mais direta possível”, afirma Franco.

Já o redator publicitário Rodolfo Dantas destaca que o texto publicitário deve ajudar o público a escolher. Por isso, ele recomenda que se evite o tom impositivo e que se busque um tom de diálogo. “O tom de conversa é o que funciona. Quer escrever bons textos publicitários? Então, aproveite mais os bate-papos, ouça as pessoas nas filas, no ônibus, no metrô”, diz, acrescentando que o tom coloquial é fundamental para que o texto não soe falso ou pretensioso.

De acordo com Dantas, para engajar o público e fazê-lo agir de acordo com a mensagem que se quer transmitir, é importante identificar uma necessidade do leitor. “A necessidade funciona como elemento de atração e motor da ação.E para deixar o consumidor seguro de que você vai mesmo ajudá-lo a satisfazer uma necessidade ou solucionar um problema, conte a ele as características do seu produto, serviço ou ideia que garantem tais resultados”, diz.

Dantas recomenda que os alunos, ao escreverem suas redações, fiquem atentos à clareza e à objetividade, utilizando palavras que poderão ser facilmente entendidas pelo público. “Mas, encontre uma forma de chamar a atenção do seu público. Ele precisa saber que a sua mensagem existe, no meio de uma avalanche de informação que o atinge a todo momento. Quebre o padrão, ouse, inove, mas sem comprometer a clareza da mensagem”, recomenda.

Além disso, o redator também sugere que o texto traga informações sobre como o leitor pode agir uma vez que tenha “comprado” a ideia do texto. E recomenda que o aluno peça que alguém – o professor orientador – revise seu texto. “Peça para alguém revisar o seu texto. Quem escreve não pode ser quem revisa. O próximo passo é mostrar o texto para alguém que represente o seu público e ouvir atentamente os comentários”, indica.

Paulo André Bione, diretor acadêmico da Miami Ad School/ESPM, sintetiza a função do texto publicitário como a de um ponto de contato entre a marca, ou a ideia, e o consumidor, o leitor. O texto publicitário, de acordo com Bione, carrega informação com ele, mas essa informação é apresentada noformato de escrita criativa, publicitária. “Além do texto publicitário poder explicar algo, ele deve inspirar, emocionar, envolver o consumidor, de maneira sutil”, afirma. “E ao contrário dos textos literários, o texto publicitário tem que capturar o leitor com bastante afinco. Normalmente, as pessoas não querem ler um texto publicitário, daí o desafio de torná-lo memorável. A propaganda brasileira tem vários exemplos de textos publicitários fantásticos e inesquecíveis”, acrescenta.

O texto publicitário tem como características, segundo Bione, ser dinâmico, com frases, em sua maioria, curtas, atento à pontuação e avesso a exclamações e reticências. O texto deve ter clareza, objetividade e ir direto ao ponto, com linguagem mais próxima da coloquial do que da erudita, e, muitas vezes, ser divertido sem ser menos sério ou inteligente.

“Fiquem atentos ao ritmo do texto publicitário e à fluência criativa que todo bom texto publicitário tem que ter. Pense sempre antes de escrever ao invés de escrever o que pensa. Refaça-o quantas vezes for necessário, não alongue os parágrafos, nunca adjetive demais. É muito importante achar um ponto de vista interessante para escrever sobre o assunto em questão. E, é claro, goste de escrever”, diz Bione.

O redator destaca que não se deve desprezar a organização da estrutura do texto. “A partir do assunto, pense em como vai escrever e transmitir, isto se chama ideia do texto”, orienta. “Por exemplo, se vou falar sobre como minha vida ficou melhor depois que eu passei a correr, vou usar no texto o vocabulário de corrida para deixá-lo com ritmo, fluência e conectado com o produto que estou vendendo”, diz ao indicar dois textos que considera excelentes, redigidos para a Mizuno, pela agência Talent. Clique para lê-los.

Professora do curso de Publicidade e Propaganda da Fundação Armando Alvares Penteado – FAAP, Andrea Mello define a função do texto publicitário como a de persuadir. “O redator sempre precisa convencer o consumidor a comprar, seja o produto, a marca ou a ideia do anunciante.Além disso, um bom texto publicitário deve ser criativo e original para se destacar em meio a uma multidão de peças publicitárias, e ser fácil e agradável de ler”, pontua.

De acordo com a professora, o redator publicitário precisa seguir alguns passos: sempre ficar atento à mensagem inicial – na primeira frase do texto –, que tem o poder de chamar a atenção do leitor para que ele leia o anúncio inteiro; deixar claro quem é o anunciante e o que está sendo vendido; e apresentar os diferenciais ou principais benefícios de forma clara e convincente. O redator publicitário poderá avaliar se a estratégia de incluir os chamados call to action – frases que convidam o consumidor a agir, como, por exemplo, “Ligue agora e faça sua assinatura!” ­– é importante ou não para o seu texto ou peça publicitária.

Para a professora, o redator publicitário deve ter a liberdade de desenvolver seu texto do modo mais criativo e eficiente possível, e não ficar preso a um formato padrão. Com essa ressalva em mente, Mello descreve os elementos clássicos do texto publicitário da seguinte forma:

Título – “Um texto curto, composto de uma ou duas orações, que fica em destaque na peça. Sua principal função é introduzir o tema ou assunto e chamar a atenção dos consumidores, despertando seu interesse para ler a peça publicitária”.

Subtítulo – “Hoje, poucas peças publicitárias possuem subtítulo. Ele é um texto um pouco mais extenso, posicionado logo abaixo do título, com função de explicar o título”.

Texto – “O corpo do texto publicitário normalmente possui uma fonte menor, para que sua leitura seja feita depois do Título e Subtítulo. Nele, a ideia do título é desenvolvida e têm-se uma conclusão ou fechamento”.

Assinatura – “Uma frase curta, posicionada após o texto, que irá resumir de forma clara a ideia. Pode também convidar a uma ação – o já mencionado call to action”.

Como participar

Os alunos que forem participar na Categoria 3 do Concurso Tempos de Escola 2015 produzirão um texto para campanha publicitária das 5 Atitudes pela Educação com foco na Atitude 3: “Colocar a Educação escolar no dia a dia”. Os textos devem ser produzidos como se fossem anúncios, considerando o tom dialógico e a interlocução com os leitores, devem defender a educação escolar no dia a dia e fazer com que as pessoas tenham vontade de praticá-la.

É importante ler com atenção o regulamento completo do Concurso Tempos de Escola 2015, em que estão listadas as propostas de redação e descritos os procedimentos para inscrição. Já o Guia de Orientações para Educadores traz, para os professores, coordenadores e gestores escolares, orientações detalhadas sobre todas as etapas do concurso e orientações específicas sobre como planejar e realizar atividades de produção e revisão dos textos dos alunos de acordo com cada categoria. As inscrições devem ser feitas por esta página. Em caso de dúvidas, basta escrever para contato@blogeducacao.org.br.

Bernardo Vianna / Blog Educação

Publicado em Concurso Tempos de Escola, Edição 2015, Notícias Marcado com: ,

Comentários

Facebook

Twitter

O conteúdo da página "CTE 2015 – Alunos do ensino médio escreverão textos publicitários | Blog Educação", disponibilizado no website Blog Educação está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.